Blog que queria ser outra coisa, mas que se contenta em deixar trans-pirar a sua dona... Moda, literatura, cinema e efêmeras frivolidades em geral.

07
Fev 09

Assim é fácil ser girl: tô com O Segundo sexo do meu lado, ouvindo Madonna. Lips as sweet as candy. Um pouco de espumante da serra gaúcha ajuda.

Ter genitores como os meus também.

E projetos que te exigem ficar com a cabeça spinning também.

Mas se a gente tem uma mãe top de linha que te dá um Francesca Giobbi, ainda que um número menor, fica-se uma girl beem feliz.

Momento sex and the xity. Relax.

Waiting for my eternal sunshine. Meu eterno retorno tem nome e é, absolutely, a girl. Esse nome vem de Tróia e ela é a mulher mais linda do mundo.

E o único substitute for love que existe é o trabalho estimulante + champagne -  agora me nego a seguir a DOC e digo champagne mesmo.

Should I wait for you?

Vamos sempre esperando. E assim vivendo: o próximo semestre, a próxima aula, a próxima taça, o próximo sapato apertado. A próxima proposta indecente.

A vida é uma proposta indecente.

Já tive meus tempos de Demi Moore. E agora tenho de Luciana Avelino da Silva, if you know what I mint.

publicado por joanabosak às 00:03
sinto-me: bem
música: Music

30
Jan 09

de quem faz Moda e Literatura Comparada:

 

"Cada inovação parece a perversão de uma primeira perfeição." Auguste Escoffier,1898

 

Essa máxima está entre as epígrafes do livro de Manfred Weber-Lamberdière sobre Ferrán Adrià, o cheff-artista número um do mundo, que já esteve "exposto" até na Documenta de Kassel, em 2007.

Adrià continua:

"Estamos à procura do novo, do inusitado. O resto não nos interessa." (1994)

Pois é nessa base o jornalista alemão vai nos mostrando que hoje as fronteiras entre arte e não-arte estão cada vez mais diluídas. (As pessoas também podem ser diluídas, e disso Andy já sabia bem).

Molhos à parte, o autor faz pensar o que é verdadeiramente arte hoje. Assim como o conceito de luxo, também hoje revestido de novas características, muito mais próximas do conforto, do "ter mais tempo", do que da ostentação de outrora.

O tempo, nosso sexto sentido, também é sempre levado em conta. O passado não conta mais, ele só serve como alavanca do que virá.

Até que ocorre o encontro, promovido pelo autor, entre Alain Ducasse - antes número um da cozinha - e Karl Lagerfeld - o kaiser da Moda.

Lipovetsky é, sem ser nomeado, citado por Monsieur Chanel. O império do efêmero é o que vigora, uma espécie de lei da espécie.

"Mas eu amo o efêmero. Somente o efêmero sobrevive. Do contrário, seria 'rotina' e, nesse caso, deveríamos encerrar as atividades. A perfeição é enganosa. Quando algo está perfeito, temos que inventar alguma coisa, a perfeição não pode durar para sempre. Temos que evitar nos confrontar com a própria perfeição, nos distanciar do sucesso e do questionamento que nasce com ele. Não podemos estar certos de nada que conseguimos. Esse tipo de segurança é perigoso. Nunca olho para trás, o passado não me interessa."

Santa imperfeição nossa de cada dia - é ela que nos move.

Tudo por essa incerteza tão certa, luxuosa e volúvel. Tudo ao mesmo tempo agora no único tempo que existe: este.

publicado por joanabosak às 06:18
sinto-me: insone
música: a de sempre

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30


arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO